Cirurgia plástica não é futilidade!

com 2 Comentários

Com frequência é ouvido falar sobre pessoas que se submeteram à cirurgia plástica. Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, em pesquisa realizada pelo Datafolha em 2009, 629 mil procedimentos foram realizados no Brasil por ano. Fácil concluir que é praticamente impossível encontrar alguém absolutamente satisfeito com a sua aparência física. Fato também que leva muitas pessoas a concluir que se submeter à uma cirurgia plástica é sinônimo de futilidade.

Mas basta lembrar o objetivo da especialidade. A cirurgia plástica visa reconstituir uma parte do corpo humano por razões reparadoras, como a de problemas congênitos ou adquiridos, ou estéticas, para melhorar um aspecto físico que não agrada ao paciente.

Deste modo, o limite entre a vaidade e a real necessidade de recorrer a procedimentos estéticos se torna relativo. Basta pensar nos inúmeros casos de pacientes que se beneficiam com ela. Afinal, assimetrias, obesidade, entre outros problemas podem ser grandes inibidores de personalidade, mudando o modo de relacionamento com o ambiente e pessoas a sua volta.

Os aspectos funcionais e psicológicos da cirurgia plástica são reconhecidos. Os pacientes têm melhora na auto-estima, segurança e qualidade de vida, tanto nos aspectos pessoais e até mesmo nos profissionais, pois acabam por revelar pontos psicológicos positivos de pessoas que antes os escondiam por terem a auto-estima muito baixa e pouca vontade de sociabilizar. Uma das explicações está nas alterações físicas, diretamente ligadas a mudanças neurológicas, assim pacientes que se submeteram à cirurgia plástica se sentem mais bonitos e seguros e como conseqüência, o funcionamento do seu corpo é modificado, pois ao se sentir mais satisfeitos passam a liberar endorfina, que produz a sensação de felicidade.

A cirurgia plástica possui limitações, mas quando feita de forma consciente e sem excessos pode contribuir para unir corpo e mente saudáveis. Portanto, não é fútil. E caberá ao médico especialista e sua experiência profissional a analisar se um paciente está apto ou não a submeter-se, orientando inclusive sobre possíveis exageros, limites e detalhes do procedimento, em busca do melhor tratamento.

2 Respostas

  1. mateus antunes da costa
    | Responder

    queria saber o valor de uma cirurgia faceal metodo mais antigo e o mais recente atraves de video. tudo isso, valor mais ou menos.

Deixe uma resposta